Torre de Londres: um antro de histórias

Torre de Londres: um antro de histórias

A Torre de Londres (Tower of London) é uma das principais atrações da capital britânica. Construída às margens do Rio Tâmisa em 1078, a fortaleza tem uma história cheia de curiosidades. Ela já foi casa da Moeda, Mostra dos Animais do Reino e até prisão, local de execuções e tortura. Hoje é a casa das Joias da Coroa, Patrimônio Mundial da UNESCO e um dos lugares mais visitados pelos turistas que desejam conhecer a história de Londres.

Atualmente, o lugar não apresenta apenas uma torre, mas 20 delas, erigidas ao longo de inúmeros reinados. Esse é um dos ingressos mais caros que você terá que pagar em Londres, mas vale cada centavo. A visita fica ainda melhor com o tour guiado por um dos guardas do local. Neste post, você vai conhecer melhor essa história, conferir fotos e entender passo a passo como e por que incluir a Torre de Londres no seu roteiro.

Esta é a temida White Tower. Foto: Mapa de Londres
Esta é a temida White Tower, a Torre de Londres original. Foto: Mapa de Londres

Como visitar a Torre de Londres

A visita à Torre de Londres é imprescindível, na nossa opinião. Veja abaixo tudo que você precisa saber antes de dar os primeiros passos para um passado mais sangrento e conturbado da nossa querida London.

Encontre: Torre de Londres no mapa

Endereço: London EC3N 4AB, United Kingdom

Estação de metrô: Tower Hill (Circle e District Line)

Ingresso antecipado: Adulto: 24 libras / Criança de 5 a 15 anos: 11 libras / Menor de 5: gratuito

Compre seu ingresso online

Horários: 1 de março a 31 de outubro: Terça a sábado, das 9h às 17h30. Domingo e segunda, das 10h às 17h30 (entrada até 17h). 1 de novembro a 29 de fevereiro: Terça a sábado, das 9h às 16h30. Domingo e Segunda, das 10h às 16h30 (entrada até 16h)

O passeio guiado pela Torre de Londres

Torre de Londres - Mapa de Londres
Guardas da Torre são chamados de Beefeaters. Foto: Mapa de Londres

A visita à Torre de Londres deve ser feita de olho na história do lugar. Pouco sentido terá seu passeio se você não prestar um pouquinho de atenção ao que levou Guilherme, o Conquistador (William, The Conqueror), a construir a torre, à quantidade de gente que foi morta e presa aqui e a importância das Joias da Coroa que você poderá observar.

Por isso, aguarde o próximo tour guiado com um beefeater, um dos guardas que hoje conduzem os visitantes e mostram um pouquinho do que já aconteceu dentro desses muros. É imperdível.

Os guardas contam a história da Torre de uma maneira bem-humorada, com impostações de voz e encenações para ilustrar a trama e assustador os distraídos. Esse tour guiado só vale a pena, entretanto, para quem está com o inglês em dia, ok? 🙂

O que você verá na Torre de Londres

Confira os principais destaques destaques de sua visita. E lembre que para visitar absolutamente tudo, com o devido tempo, você perderia um turno inteiro, pelo menos. Mas é tanta informação, que você vai ficar exausto em 2h30.

White Tower

Para muitos, ela é a própria Torre de Londres, já que foi a primeira das construções. Essa foi a fortaleza erigida pelos normandos para dar um recado claro à população: obedeçam ao novo Rei.

E como bom súdito, quase 1 mil anos depois, você pode explorar os quatro andares da White Tower. Nesse tour, você vai ver como era a arquitetura normanda, vai conhecer a Coleção Real de Armaduras e entrar em uma capela do século 11, a St John The Evangelist.

O porão da White Tower foi um local famoso de tortura, por onde passaram, por exemplo, Guy Fawkes (que tentou explodir o Parlamento na Conspiração da Pólvora) e o padre jesuíta John Gerard.

Torre de Londres
Medo: Você esta chegando à White Tower. Foto: Mapa de Londres

Fit for a King

Dentro da White Tower, você pode ver de perto as armaduras que Reis da Inglaterra utilizaram ao longo dos séculos. Trata-se de uma exposição de 300 anos de idade, chamada de Line of Kings, montada pela primeira vez no século 17. É uma mostra CHEIA de artefatos interessantes, cujos detalhes vão prender sua atenção por um bom tempo e remetê-lo diretamente a personagens do passado, como Henrique VIII e Charles I.

Você vai ver:

  • Armaduras de Henrique VIII, de 1515 e 1540
  • Armadura de Charles I, de 1612
  • Armadura do Príncipe Henry Stuart, de 1608
  • Armadura do Rei James II, de 1686.
Vai encarar? Foto: Mapa de Londres
Vai encarar? Foto: Mapa de Londres

Royal Beasts

A Torre de Londres chegou a abrigar 600 animais doados por outros reis e líderes mundiais. Na prática, foi o primeiro zoológico da cidade, com leões (aqueles de Trafalgar Square), macacos, elefante e muito mais. Até um urso polar, que tinha direito a pegar alguns peixes no Tâmisa, vivia aqui. Para entender melhor essa história, leia: Animais da Torre de Londres (você vai se surpreender)

Os animais da Torre. Foto: Mapa de Londres
Os animais da Torre. Foto: Mapa de Londres
Royal Beasts surround you. Foto: Mapa de Londres
Royal Beasts surround you. Foto: Mapa de Londres

Joias da Coroa

Um dos grandes símbolos da monarquia britânica, as Joias da Coroa podem ser observadas em todo seu esplendor. Você só não vai poder tirar fotos, ok? Mas o tour é impressionante e dá uma boa dimensão dos detalhes e liturgia por trás das cerimônias de coroação.

Você vai ver:

  • A Colher da Coroação, que é usada há 800 anos na cerimônia de coroação de Reis e Rainhas britânico
  • O enorme diamante do Cetro do Soberano
  • Coroa de St Edward, de ouro, que é colocada pelo monarca na coroação
  • Imperial State Crown, que é usada nas aberturas do Parlamento todo ano
  • Coroa da Rainha Mãe, adornada com 2.800 diamantes.

Apesar de estarem à mostra, as Joias da Coroa ainda são usadas pela Rainha Elizabeth II em importantes cerimônias nacionais. Todos os objetos que ainda são utilizados têm, ao lado, um aviso: “In use”.

Nada de fotos das Joias da Coroa. Foto: Mapa de Londres
Nada de fotos das Joias da Coroa. Foto: Mapa de Londres
Torre ainda é bem protegida. Foto: Mapa de Londres
As Joias são bem protegida. Foto: Mapa de Londres

Corvos da Torre de Londres

Antigamente, seis corvos viviam no pátio da Torre de Londres. Acreditava-se que, se os corvos fossem mortos ou fugissem dali, Londres seria destruída. Até hoje, no mínimo seis espécimes vivem ali. Os corvos são tratadas pessoalmente pelo Raven Master, cuja única função é lhes dar comida e proteção. Ficou curioso? Leia: Corvos da Torre de Londres

Corvo da Torre de Londres
Corvos da Torre de Londres são protegidos por decreto real. Foto: Mapa de Londres

Local de execuções

Um dos aspectos mais macabros de uma visita à Torre de Londres é entender quão brutal é a história dessa fortaleza. Havia execuções públicas na Tower Hill, aqui ao lado, e dentro da Torre eram aprisionados e torturados homens e mulheres que ousavam se voltar contra o Rei.

Na Execution Site, dentro do pátio da Torre de Londres, eram realizadas as execuções dos prisioneiros mais importantes, seja por proximidade do Rei ou popularidade junto à plebe, dois fatores que levavam o desafortunado a ser decapitado aqui.

Hoje o visitante pode ver um memorial em homenagem às vítimas do passado. Três delas são bastante lembradas:

  • Ana Bolena (Anne Boleyn), segunda esposa de Henrique VIII
  • Catherine Howard, quinta esposa de Henrique VIII
  • Lady Jane Grey, que foi Rainha de fato por nove dias.

A história da Torre de Londres

A história da Torre de Londres começa com William, o Conquistador, após a invasão normanda, em 1066. O Rei normando decidiu construiu fortificações por toda a Inglaterra para assombrar a população local e amealhar-lhes respeito e submissão.

Na época de sua construção, em 1078, a Torre de Londres era o prédio mais alto da cidade. Serviu a todos os propósitos possíveis até hoje, incluindo casa da moeda, local de tortura, palácio real, prisão, zoológico e muito mais.

Residência Real

No século 13, o prédio tornou-se residência real, quando o Rei Henrique III construiu ali edifícios palacianos. No século 14, os edifícios foram destruídos, e a Torre deixou de ser uma residência real.

Um vilarejo dentro da Torre de Londres. Foto: Mapa de Londres
Um vilarejo dentro da Torre de Londres. Foto: Mapa de Londres

Prisioneiros

Já ouviu a frase “Send him to the Tower”? Não? Que bom. Antigamente, ela significava que o desafortunado seria encarcerado na Torre de Londres. Mas essa ordem não era dada a qualquer um. Apenas prisioneiros importantes passaram por aqui, e alguns deles foram executados. Na Primeira Guerra Mundial, por exemplo, foram mortos na Torre onze espiões alemães. E, apesar de estar oficialmente fora de uso militar na Segunda Guerra Mundial, a prisão foi usada para enclausurar soldados inimigos. A última execução foi a do espião Josef Jakobs.

Esta foto abaixo é do Traitor’s Gate, por onde os prisioneiros mais afamados eram transportados de barco para dentro da Torre de Londres:

Take him to the Tower. Foto: Mapa de Londres
Take him to the Tower. Foto: Mapa de Londres

Literatura

Shakespeare, em sua peça Ricardo III, chamou a Torre de Londres de Torre Sangrenta e retratou o lugar como obscuro e sombrio, onde as torturas eram comuns.

Baixe o mapa da Torre de Londres

Imagens da Torre de Londres

Os Guardas da Torre de Londres

Os guardas da Torre de Londres são os Yeomen Warders, conhecidos popularmente como Beefeaters, ou seja, os comedores de carne. Apelido curioso, não? E eles revelam essa alcunha nos tours guiados, nos quais contam as grandes curiosidades do palácio e de seus habitantes.

Guardas da Torre de Londres são os Beefeaters. Foto: Mapa de Londres

Mas de onde será que vem esse apelido?

Beef em inglês é carne, eaters é “comedor”, “devorador”. A origem do nome não é consensual, mas há algumas explicações que dão alguns sinais de onde pode ter surgido essa alcunha incomum para um corpo de guardas reais.

Consta que a primeira referência ao nome foi feita pelo grande duque da Toscana Cósimo III de Médici. O nobre italiano, em visita à Londres no século 17, teria feito uma menção aos guardas da Torre notando que a ração diária de carne que eles comiam era particularmente grande, chamando-os de beefeaters.

O termo também pode ter sido derivado da denominação francesa “buffetier”, que era o nome dado aos guardas reais franceses que protegiam e testavam a comida dos reis da França (apesar de que essas não eram funções dos beefeaters ingleses).

Há também quem comente uma origem menos nobre do nome. No chamado boca a boca, corre o mito de que durante os tempos de guerra esses soldados teriam direito a uma porção de carne maior do que os cidadãos londrinos normais. Tendo sido apelidados com essa designação irônica. Mas as explicações mais aceitas, inclusive pelos próprios guardas, são as duas primeiras.

Leia também

Mais palácios em Londres

Os Corvos da Torre de Londres

Nosso e-book com 7 dias de atrações em Londres:

pequeno-cta-roteiro-do-mapa-de-londres

Deixe seu comentário

72 comentários

  1. A história de Londres é sofrida, mas fascinante. Apaixonada por Londres, espero um dia poder
    Conhecê-la!

  2. Boa tarde! ótimas dicas, muito obrigada por compatilhar! Vamos em Dezembro, dia 29 e gostaria muito de fazer a visita guiada. Como faço para saber os horários certinho? A visita guiada é paga a parte? Vale a pena comprar antecipado mesmo para esse periodo?
    Obrigada pela ajuda! Abraços, Leticia

  3. Olá, no site para comprar o ingresso, o custo está em 23,10 libras, mas ao prosseguir com a compra eles ofertam Extras (guias de audio). Com o preço pago pelo ingresso, já nao é de direito um audio guide? ou esses Extras q eles ofertam são guias em áudio específicos?

  4. Parabéns pelo site, tem sido bastante útil.
    Fiquei com uma dúvida, quando compro os ingressos on line (o site informa para retirar na bilheteria de lá) enfrento a mesma bilheteria (mesma fila) de quem vai comprar o ingresso lá?

  5. […] Talvez mais difícil do que planejar uma viagem a Londres seja indicar um roteiro para outra pessoa. A definição das atrações e pontos turísticos visitados na capital britânica é uma atividade tão pessoal, tão subjetiva, tão essencial ao andamento da jornada, que sair distribuindo roteiros turísticos deveria ser proibido e punido com encarceramento na Torre de Londres. […]