Descubra quem foi Guilherme, o Conquistador

Descubra quem foi Guilherme, o Conquistador

Guilherme, o Conquistador: um título bem imponente, não é? Bem, o primeiro rei normando da Inglaterra não o recebeu à toa. Como filho ilegítimo do duque da Normandia, na França, ele não tinha nenhum direito à Coroa Inglesa – nem mesmo por laços sanguíneos. Mas era um homem ambicioso. 👑

A história de Guilherme, o Conquistador (em inglês, William, The Conqueror), tem todos os elementos intrigantes das histórias medievais: batalhas, brigas de poder, traições e disputas pelo trono. Seu reinado também representou um período de mudanças extremas na vida dos ingleses, incluindo a implementação do idioma francês no dia a dia e os laços aprimorados entre ambos os países, que perdurou por toda a Idade Média.

Então, curioso para conhecer melhor quem foi Guilherme, o Conquistador? Confira, abaixo, nosso “resumão” de hoje. 🤓

King_William_I_('The_Conqueror')_from_NPG_Publico
Representação artística de Guilherme, o Conquistador. Foto: Domínio Público

Biografia de Guilherme, o Conquistador

Guilherme nasceu na região de Normandia, no norte da França, em 1028. Mas não pertencia integralmente à realeza: era o que chamavam de bastardo, um filho ilegítimo (tido fora do casamento) de Roberto, então duque da Normandia. Como seu pai não possuía nenhum herdeiro legítimo, porém, o jovem herdou o ducado após sua morte, em 1035.

O fato de ter recebido o título, no entanto, não foi muito bem aceito pelos senhores feudais e pela realeza: ninguém aceitava a nova posição do bastardo. Em 1046, Guilherme se viu diante de uma revolta dos nobres, mas junto com as tropas do Rei da França sufocou a rebelião em cerca de um ano.

A partir de então, começou a colecionar sucessivas vitórias: em 1063, o duque conquistou a província francesa do Maine e, em 1064, sufocou uma nova rebelião dos nobres. A cada nova vitória, sua ambição aumentava. Assim, o interesse de Guilherme ultrapassou o Canal da Mancha e se voltou à Inglaterra.

A briga pelo trono inglês

Guilherme começou a almejar o trono inglês, pois era primo de Eduardo, o Confessor, Rei da Inglaterra na época. Quando este chegou ao leito de morte, o duque de Normandia tinha planos de ficar em seu lugar. No entanto, havia outros interessados no trono. Quando Eduardo morreu, em janeiro de 1066, passou a Coroa para o conde inglês Haroldo Godwinson.

Guilherme, é claro, não ficou satisfeito. Ele afirmava que, durante seu reinado, Eduardo tinha lhe prometido a Coroa – e mais: que Haroldo também havia jurado lhe reconhecer como seu legítimo herdeiro. Estavam estabelecidas as bases de uma batalha pelo trono da Inglaterra.

Batalha de Hastings

Bayeux_Tapestry_Horses_in_Battle_of_Hastings_Publico
Cena da Batalha de Hastings ilustrada na tapeçaria de Bayeux. Foto: Domínio Público

Em 1066, a briga pelo título de rei da Inglaterra era intensa. Haroldo II estava ameaçado tanto por Guilherme quanto pelo rei norueguês Haroldo III, que também sonhava com a Coroa. Nesse período, os noruegueses inclusive chegaram a invadir a Inglaterra pela Nortúmbria, mas o exército inglês conseguiu derrotá-los em Stamford Bridge, perto de York.

A façanha, porém, não iria se repetir na batalha contra Guilherme. Haroldo II cometeu um erro fatal: mandou seu exército exausto marchar direto para o sul – na direção de Hastings, no condado de Sussex. Quando chegaram lá, porém, o duque de Normandia e seus soldados já estavam prontos para a batalha.

Em 14 de outubro de 1066, ocorreu a batalha final entre Guilherme e Haroldo II, que recebeu o nome de “Batalha de Hastings”. O então rei da Inglaterra acabou morto e suas tropas fugiram. O duque normando havia conquistado a Coroa Inglesa (daí o apelido “Conquistador”). Era o início de uma nova era da Inglaterra.

O primeiro rei normando

Depois da Batalha de Hastings, Guilherme marchou até Londres, onde foi coroado rei da Inglaterra na Abadia de Westminster. Mesmo com certa resistência contra a invasão normanda, ele passou a trabalhar intensamente para que seus súditos o aceitassem como rei.

Guilherme construiu castelos e fortalezas no território inglês (inclusive a Torre de Londres!), com o intuito de afastar quaisquer possíveis invasores que desejassem lhe roubar a Coroa. Também fez um mapeamento completo de suas novas terras, um documento hoje chamado de “Domesday Book”, que é considerado um importante registro do território inglês logo após a conquista normanda.

Seu reinado, porém, não durou muito. Em 9 de setembro de 1087, Guilherme morreu no campo de batalha, enquanto tentava conquistar novas terras na França. Ele foi sucedido por seus dois filhos no trono inglês: Guilherme II e Henrique I.

Guilherme, o Conquistador: legado para a Inglaterra

Por ter sido o primeiro francês a se sentar no trono da Inglaterra, Guilherme causou um impacto que até hoje rende frutos na cultura inglesa. Sua conquista culminou em reformas na igreja, na cultura e no idioma do país – além de ter resultado em uma proximidade entre França e Inglaterra.

O governo de Guilherme mesclou elementos dos sistemas de governo inglês e normando em um único e novo modelo, que posteriormente lançou as bases do que seria o reino medieval inglês. Ele foi apenas um dos primeiros representantes da monarquia absolutista poderosa que guiou o Reino Unido durante séculos.

E aí, gostou de conhecer a história de Guilherme, o Conquistador? Deixe um comentário. 😊

Deixe seu comentário

6 comentários