Agatha Christie, a Dama do Crime

Agatha Christie, a Dama do Crime

4

Agatha Christie é uma das mais populares escritoras britânicas. Ela é reconhecida por sua habilidade em criar narrativas envolventes de mistério, normalmente situadas em pequenas cidades da Inglaterra, e pelo seu personagem mais famoso, o detetive belga Hercule Poirot.

Conforme números do Guinness, o Livro dos Recordes, Agatha Christie já vendeu mais de 2 bilhões de livros em todo o mundo, atrás apenas de Shakespeare e da Bíblia. Seu livro mais vendido é O Caso dos 10 Negrinhos, com mais de 100 milhões de cópias comercializadas.

Até hoje, é a autora mais traduzida da história. De acordo com o Index Translationum, sua obra foi traduzida para 103 idiomas.

Agatha Christie não ficou famosa apenas pelos seus 66 romances e dezenas de contos de mistérios e crimes. Ela é também a autora da peça há mais tempo em cartaz em todo o planeta. No teatro, Mousetrap é apresentada há mais de 60 anos em Londres.

A escritora faleceu em 1976, aos 85 anos de idade, em Winterbrook, na Inglaterra. Até seus derradeiros momentos, continuou escrevendo.

Foto: Kamilla Fernandes
Foto: Kamilla Fernandes, especial para o Mapa de Londres

Agatha Christie e a aposta com sua irmã

Agatha Mary Clarissa Christie nasceu em 15 de setembro de 1890, em Torquay, Devon, sudoeste da Inglaterra. Sua família era de classe média alta e fez questão que ela fosse educada em casa, aprendendo a ler e fazer cálculos com seus pais. Ainda criança, aprendeu a tocar piano e bandolim.

Desde pequena, Agatha Christie lia muito. Ela costumava passar horas lendo sozinha, com animais de estimação e longe de outras crianças. A morte de seu pai, quando ela tinha 11 anos, a abalou muito.

Agatha começou a escrever poemas ainda criança. Foi uma aposta com sua irmã, de que ela não seria capaz de escrever um bom livro de detetive, que a inspirou e deu origem ao personagem Hercule Poirot. Esse e outros personagens a consagraram como uma das mais brilhantes escritoras de todos os tempos.

Aos 12 anos, ela começou a estudar em uma escola em Devon, mas não se adaptou. Então, aos 15, mudou-se para Paris a fim de completar sua educação.

Voltou para a Inglaterra, em 1910, aos 20 anos. A partir de então, cuidou de sua mãe, começou a escrever e a participar de peças de teatro. Casou-se em 1914, mas logo seu marido, Archibald, foi mandado para combater na Primeira Guerra. Em Torquay, ela ajudou nos esforços da guerra como voluntária no hospital por dois anos.

O desaparecimento de Agatha Christie

Depois da guerra, o casal se mudou para Londres. E ali a carreira de Agatha Christie de fato começou.

Fã de romances de detetives, como The Woman in White e as aventuras de Sherlock Holmes, Agatha Christie escreveu a sua própria história de mistério. Seu primeiro livro no estilo, O Misterioso Caso de Styles, já figurando o detetive Hercule Poirot, foi recusado por diferentes editoras até que uma aceitou sob a condição de que a autora alterasse o desfecho do drama. Ela aceitou, e a obra foi publicada em 1920.

Pouco antes de sua publicação vir à tona, Agatha deu à luz sua única filha, Rosalind. Depois, entre 1922 e 1923, foram publicados seu segundo e terceiro livros e ainda contos na revista The Sketch. O sucesso veio acompanhado de uma excursão promovendo a exposição British Empire Exhibition, que apresentava os feitos científicos e culturais do império britânico.

O casamento ruiu em 1926. Archie pediu pelo divórcio e, após uma briga, em 3 de dezembro daquele ano, ele saiu de casa para passar o fim de semana com sua amante.

Essa mesma noite traz o capítulo mais misterioso da vida de Agatha Christie. Horas depois de o marido sair de casa, a escritora sumiu.

Seu desaparecimento provocou uma comoção popular. A polícia foi pressionada pelo governo para achar a autora, um jonal ofereceu uma recompensa de 100 libras por quem tivesse informações sobre o seu paradeiro, mais de 1 mil policiais e 15 mil voluntários rastrearam toda a redondeza da área onde o casal vivia e até Sir Arthur Conan Doyle, autor dos livros de Sherlock Holmes, deu uma das luvas da escritora para que uma médium encontrasse a sua dona.

A procura não deu resultado. Dez dias depois, porém, Agatha Christie foi encontrada em um hotel em Harrogate, registrada sob o nome de Teresa Neele (este o sobrenome da amante de seu marido).

Esse desaparecimento não é registrado em sua autobiografia. O casal se divorciou naquele ano.

A obra-prima de Agatha Christie

A sua obra-prima só chegou ao público em 1926. O Assassinato de Roger Ackroyd foi o seu primeiro título a ser publicado pela editora Collins e considerado o seu primeiro grande sucesso.

Esse romance de mistério tem seu enredo em King’s Abbot, uma vila tranquila da Inglaterra. O detetive Hercule Poroit é chamado para resolver o assassinato do milionário Sr. Ferrars e outros assassinatos que ocorrem ao longo da história.

O livro foi a primeira obra de Agatha a ser dramatizado, com o nome de Alibi, e fez muito sucesso na West End de Londres.

Em 2013, O Assassinato de Roger Ackroyd foi considerado, pela Associação de Escritores de Cinema, o melhor texto de romance policial de todos os tempos e seu final foi também foi considerado, pela crítica especializada, um dos mais surpreendentes da coleção da escritora.

A obra ainda foi adaptado por Orson Welles para uma peça de rádio que durava uma hora, em 1939. Wells interpretou Dr. Sheppard e Hercule Poirot. Quase 50 anos mais tarde, o livro foi adaptado novamente como esquete pela BBC Radio 4, em que John Moffat desempenhou o papel de Hercule Poirot. Quando a obra chegou à televisão, nos anos 2000, David Suchet foi o responsável por interpretar o detetive belga.

O caso dos 10 negrinhos é seu maior sucesso

Esse livro fez de Agatha Christie a escritora mais vendida de todos os tempos e foi traduzido para mais de 50 idiomas.

A história conta a estadia de dez estrangeiros, com pouco em comum, atraídos para uma mansão localizada em uma ilha, na costa de Devon. Durante um jantar, a voz do anfitrião acusa cada um dos visitantes de esconderem um segredo. Na mesma noite, Tony Marston é encontrado morto e os personagens se dão conta que existe um assassino entre eles pronto para atacar de novo.

O livro já teve adaptações para a televisão e o cinema. A última foi lançada no Reino Unido em 26 de dezembro de 2015, pela BBC One, dividida em três partes. 

Agatha Christie em Londres

Mousetrap é encenada há mais de 60 anos. Foto: Mapa de Londres
Mousetrap é encenada há mais de 60 anos. Foto: Mapa de Londres

Para o fã de Agatha Christie que viaja para Londres, há duas atrações imperdíveis. A primeira é assistir à peça Mousetrap, em cartaz há mais de 60 anos. E no caminho para o St Martin’s Theatre, você encontra um memorial em homenagem à escritora.

Para o teatro e para o memorial, você deve ir para a estação de Leicester Square (Piccadilly e Northern Lines). Confira mais informações neste post.

E aí, gostou de conhecer um pouquinho mais sobre a vida de Agatha Christie e sobre o mistério de seu desaparecimento? Comente.

Nosso e-book com 7 dias de atrações em Londres:

pequeno-cta-roteiro-do-mapa-de-londres

Deixe seu comentário

4 comentários