Quem foi a Princesa Margaret, irmã de Elizabeth II

ANÚNCIO

Você sabia que aa Rainha Elisabeth tinha uma irmã mais nova, chamada de Margaret? A vida da Princesa Margaret foi marcada por amores impossíveis, fugas e romances.

Margaret é normalmente lembrada como a irmã caçula e rebelde da Rainha Elizabeth II, pois, diferentemente de sua irmã mais velha, ela sempre aparecia nos holofotes por ter a sua vida pessoal e amorosa recorrentemente exposta ao público e gerando controvérsias sobre o papel da família real e de sua imagem pública.

ANÚNCIO

A princesa Margaret ganhou relevância como figura pública, especialmente, depois que seu pai,  George VI, assumiu a Coroa em 1937 (quando seu irmão, Edward, abdicou do trono).

Isso fez com que a Princesa se tornasse a segunda na linha de sucessão ao trono – atraindo todos os olhares do povo.

A biografia da Princesa Margaret tem reviravoltas surpreendentes, paixões e um final pouco digno de conto de fadas. Ficou curioso? Então veja a seguir o nosso resumão sobre a sua trajetória.

ANÚNCIO
Princesa Margaret
Princesa Margaret, em 1965. Foto: Koch, Eric, CC BY-SA 3.0 nl

Quem foi a Princesa Margaret

Margaret Rose foi a filha mais nova do rei George VI e de sua esposa, a Rainha Isabel Bowes-Lyon – a única irmã da atual monarca, a Rainha Elizabeth II. Ela nasceu no dia 21 de agosto de 1930, no Castelo de Glamis, em Angus, no Reino Unido.

Infância e juventude

A princesa Margaret passou grande parte da infância e juventude com sua irmã mais velha. As meninas foram educadas pela governanta Marion Crawford e viram sua vida mudar quando o pai teve de assumir a Coroa. A partir do momento em que George virou rei, Margaret passou a ser chamada de “Sua Alteza Real, a Princesa Margaret”.

Durante a II Guerra Mundial, que eclodiu logo após a coroação do novo rei, Margaret e Elizabeth permaneceram na Inglaterra, no Castelo de Windsor – apesar dos bombardeios. Elas tinham aulas em casa com sua governanta Marion Crawford e nunca frequentaram uma escola enquanto alunas.

A Princesa Margaret e a Rainha Elizabeth eram totalmente diferentes. Enquanto a jovem que hoje conhecemos como Rainha Elizabeth era mais tradicional e conservadora, Margaret era considerada uma jovem rebelde e que nem sempre representava a família real do jeito que muitos gostariam que ela o fizesse.

Ambas eram muito amadas e protegidas por sua família, porém enquanto Elizabeth estava sendo preparada para se tornar uma rainha, a sua irmã mais nova, Margaret, estava sempre à sua sombra mantendo a sua distância.

 

Uma bela mulher

No começo de sua vida adulta, a princesa Margaret começou a ser considerada uma mulher muito bela, inclusive era comparada às atrizes de Hollywood, por isso era sempre convidada para posar para capas de revistas e as grifes de moda organizavam desfiles especialmente para ela.

Sua beleza além de atrair seus namorados e affairs, também atraiu admiradores famosos como o escritor John Fowles e Pablo Picasso.

A morte de seu pai

Margaret era muito próxima de seu pai e teve seu mundo revirado de cabeça para baixo com a sua morte. Ele faleceu quando ela tinha apenas 21 anos e era uma das poucas pessoas que a entendia, afinal o próprio Rei George havia vivido à sombra do irmão que era preparado para ser o próximo Rei.

Quando sua irmã Elizabeth foi coroada rainha, elas acabaram se afastando, pois Elizabeth teve que assumir todas as responsabilidades do trono. Então a princesa Margaret e sua mãe se mudaram do Palácio de Buckingham para a Clarence House.

 

Romances e controvérsias

O primeiro romance de Margaret a chocar o Reino Unido ocorreu logo após sua irmã assumir a Coroa, depois da morte do Rei George VI, em 1952. A Princesa se apaixonou por Peter Townsend, piloto da Royal Air Force (que também havia servido como palafreneiro de seu pai). Ele era 16 anos mais velho que ela e divorciado.

A princesa Margaret chegou a manifestar o desejo de se casar com Townsend, mas membros do governo o consideravam um marido inadequado para a irmã da Rainha. A Igreja Anglicana se recusou a aprovar o casamento. Se ignorasse as ordens e levasse o matrimônio adiante, a Princesa perderia todos os seus títulos, privilégios e até mesmo o lugar na sucessão do trono.

Sob pressão, Margaret se viu obrigada a deixar o romance de lado. Mas isso não impediu outras paixões: ela também chegou a ter um caso, em 1960, com o futuro primeiro-ministro canadense, John Turner.

Diz a história, porém, que foi após receber uma carta de seu antigo primeiro amor, Townsend – na qual ele teria dito que se casaria com uma jovem belga – que Margaret decidiu aceitar o pedido de casamento do fotógrafo Antony Armstrong-Jones. Na época isso foi um escândalo, pois o último casamento entre uma pessoa da família real com um plebeu havia acontecido 450 anos antes, mas dessa vez Margaret conseguiu o que queria e teve seu matrimônio realizado em 1960.

 

O primeiro casamento de Margaret

A primeira união da princesa Margaret pareceu ter um início promissor, eles se tornaram o Conde e a Condessa de Snowdon e juntos, tiveram dois filhos: Lord David Albert Charles Armstrong-Jones e Lady Sarah Frances Elizabeth Armstrong-Jones.

Posteriormente, porém, foi marcada por rumores de casos extraconjugais: o primeiro em 1966, com o padrinho de sua filha,  Anthony Barton. Entre os supostos affairs da Princesa, entraram também nomes como Robin Douglas-Home, Mick Jagger e Peter Sellers.

Em 1970, diante de revelações sobre um caso da Princesa Margaret com Roddy Llewellyn, um aristocrata 17 anos mais novo do que ela, o casamento dela chegou ao fim – mais precisamente em maio de 1978. Mesmo antes do anúncio público, porém, a união já não existia, o que fez com que Margaret quebrasse outro padrão, já que antes de seu divórcio, a separação de casais reais não eram bem-vindos.

Sua imagem também ficou fortemente marcada por festas e uso de drogas em sua casa de férias, na ilha caraíba de Mustique.

View this post on Instagram

March 19, 1976 – Separation of Princess Margaret of the United Kingdom and Antony Armstrong-Jones, 1st Earl of Snowdon, after 16 years of marriage Princess Margaret and Antony Armstrong-Jones, 1st Earl of Snowdon were married on 6 May 1960. The couple had two children. The marriage began to collapse early and publicly; various causes may have been behind the failure. On her side there was a penchant for late-night partying, while on Snowdon's extramarital affairs. By the early 1970s, the Snowdons had drifted apart. On March 19, 1976, announced their separation shortly after photographs published of Margaret with Roddy Llewellyn, who was 17 years her junior, in swimsuits on her holiday home on Mustique. On 11 July 1978, the Snowdons' divorce was finalised. It was the first divorce of a senior member of the royal family since Princess Victoria Melita of Saxe-Coburg and Gotha's, in 1901. Earl of Snowdon remarried but Margaret never remarried. #princessmargaretcountessofsnowdon #georgevi #queenelizabeththequeenmother #elizabethii #antonyarmstrongjones #earlofsnowdon #2ndearlofsnowdon #ladysarahchatto #royals #royalty #royalseparation #britishroyalty #britishroyals #europeanroyals #europeanroyalty

A post shared by Royalty Thru The Ages (@royaltythrutheages) on

Deveres Reais

Embora os holofotes se concentrem na vida pessoal de Margaret, é importante lembrar que sua imagem não condiz com uma postura completamente irresponsável. Entre seus principais interesses como Princesa, estiveram a caridade, o balé e a música.

Margaret assumiu vários cargos respeitáveis. Ela foi presidente da Sociedade Nacional e da Real Sociedade Escocesa para a Prevenção de Crueldade a Crianças, além de ter ocupado o posto de comandante-chefe dos cadetes paramédicos e enfermeiros da brigada de St. John Ambulance.


Morte

Margaret, assim como seu pai, tinha o hábito de fumar muito. Em 1998, ela teve um pequeno ataque cardíaco em sua residência, na ilha de Mustique. Em 2000 e 2001, novos ataques foram diagnosticados e, por fim, um ataque cardíaco massivo ocasionou sua morte em 9 de fevereiro de 2002, aos 71 anos.

O funeral da Princesa Margaret foi um evento particular em família, justamente no dia em que se completou o 50º ano desde a morte de seu pai. Diferentemente da maioria dos membros da Família Real, o corpo dela foi cremado e suas cinzas enterradas na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, ao lado do pai.

Menos de um mês depois, sua mãe também faleceu e suas cinzas foram enterradas ao lado de sua filha.

 

Uma relação de amor e dualidade

Apesar de todas as controvérsias que giravam ao redor de Margaret, ela e sua irmã Elizabeth II se amavam muito e durante seu velório a rainha não podia conter as suas lágrimas e ainda ficou muito tempo próxima ao caixão.

Ambas eram mulheres muito inteligentes e de personalidade forte, mas como uma foi designada para ser rainha, a outra acabou virando o alvo de fofocas da mídia. Segundo seu amigo Gore Vidal, a própria Margaret teria dito “Era inevitável: quando há duas irmãs e uma é a rainha, que deve ser a fonte de honra e de tudo que é bom, a outra deve estar no foco da mais criativa malícia, a irmã diabólica”.

 

Princesa Margaret na série The Crown

Ficou fascinado com a história da Princesa Margaret? Então corre para a Netflix. Na série The Crown, que narra a trajetória da Rainha Elizabeth II, você pode conhecer mais detalhes sobre a vida das duas. Embora seja uma personagem secundária, a irmã da monarca também aparece nos episódios – inclusive mostrando o desenrolar de seu romance com Townsend.

Em The Crown, a atriz Vanessa Kirby interpreta a Princesa Margaret e Ben Miles vive Peter Townsend. Corre lá pra assistir às intrigas da Família Real Britânica e depois vem nos contar o que achou!

Gostou do resumão e entendeu um pouquinho melhor quem foi a Princesa Margaret? Já conhecia a história? Comente aqui embaixo 😉

ANÚNCIO