Os jornais da Inglaterra e os primórdios do jornalismo em Londres

1
306
Compre agora!

Londres é uma das pioneiras do jornalismo. The Times, por exemplo, é um dos jornais da Inglaterra mais influentes da história da imprensa. Dos periódicos mais antigos do mundo, quatro deles surgiram aqui, no século 17, e um segue em atividade.

Ainda hoje, quem passa pela Fleet Street, antiga casa dos principais jornais ingleses, experimenta uma atmosfera diferente. Situada entre os centros do poder e das finanças da cidade, a rua era frequentada por célebres escritores e jornalistas do Reino Unido.

Se você é apaixonado pelas letras, vale a pena conhecer um pouco mais sobre os principais jornais da Inglaterra, a história do jornalismo britânico e a rua que homenageia um antigo rio da cidade e virou sinônimo da imprensa. 📰

Jornais da Inglaterra e de Londres

The Times (Londres)

Fundado em 1785, em Londres, o Times é um dos principais jornais da Grã-Bretanha. É pioneiro do nome, que passou a ser adotado por novos jornais em todas as partes do mundo (como o New York Times), e da fonte “Times Roman”. Sim: a mesma que você usa no computador.

The Times
The Times em 4 de dezembro de 1788

The Guardian (Londres)

Fundado em 1821, em Manchester, o The Guardian é hoje um dos mais importantes jornais da Inglaterra. Ganhou notoriedade ao dar dois grandes furos jornalísticos nos últimos anos: em 2011, noticiou o escândalo das escutas telefônicas que levaram ao fechamento do News Of The World; a partir de 2013, revelou ao mundo o delator Edward Snowden e o esquema de espionagem mundial do governo americano. Em 2014, foi nomeado “Jornal do Ano” pela British Press Awards por essa série de reportagens.

The Sun (Londres)

Fundado em 1964, o The Sun é um jornal diário de tiragem exorbitante em todo o Reino Unido e na Irlanda. É um jornal com pouca notícia e muitas fofocas de celebridades e resultados dos esportes.

Daily Mirror (Londres)

Fundado em 1985, o Daily Mirror é um polêmico tabloide diário britânico. Ganhou mais notoriedade a partir de 2004, quando o presidente Bush foi reeleito e a publicação trouxe na capa a manchete: “How can 59,054,087 people be so DUMB?”.

Daily Mail (Londres)

Publicado inicialmente em 1896, o Daily Mail é um jornal britânico, de inclinação editorial conservadora. Foi o primeiro jornal mais direcionado para a hoje chamada “classe média” e o primeiro a vender um milhão de cópias por dia.

Manchester Evening News (Manchester)

Fundado em 1868, o Manchester Evening News é um jornal diário regional, que circula pela Grande Manchester, no noroeste da Inglaterra. Tem uma circulação diária média de 52.158 exemplares.

Daily Express (Londres)

Fundado em 1900, o Daily Express é um tabloide diário britânico situado em Londres. Já estabeleceu vários recordes de circulação. Em julho de 2011, atingiu a marca de 625.952 exemplares circulando.

Financial Times (Londres)

Fundado em 1888, o Financial Times é um jornal diário internacional (com sede em Londres), com ênfase em notícias de negócios e economia. O site FT.com tem 4,5 milhões de usuários registrados, além de mais de 285.000 assinantes digitais e 600.000 usuários pagantes.

Jornais mais antigos da Inglaterra

O título de jornal mais antigo do mundo não é uma unanimidade. Ele varia de acordo com vários critérios que caracterizam um jornal, como a periodicidade, a acessibilidade, entre outros. De acordo com a Associação Mundial de Jornais, esse posto é do germânico Relation, publicado pela primeira vez em 1605, em Estrasburgo, que fazia parte do então Império Romano.

A Inglaterra não fica muito atrás nessa “disputa”, apesar da censura ter atrapalhado o desenvolvimento do jornalismo em diferentes momentos. Entre os periódicos mais antigos do mundo, quatro são do país:

  • The London Gazette (de 1665)
  • Worcester Journal (de 1709)
  • The Newcastle Journal (de 1711)
  • The Stamford Mercury (de 1712).

O jornal mais antigo da Inglaterra, o London Gazette, ainda está em circulação. Sua história é bastante peculiar e tem raízes em uma grave crise de saúde pública: em 1665, durante a Grande Praga, que assolou Londres. Criado para publicar as notícias da realeza, ele foi impresso em seus primeiros anos na cidade de Oxford, onde o Rei Charles II se refugiava, com medo da peste bubônica. Era chamado de Oxford Gazette. No número 24, porém, a corte retornou à capital, e o noticioso ganhou o nome usado até hoje.

Fleet Street: berço dos jornais da Inglaterra

Fleet Street
Fleet Street é o berço da imprensa britânica. Foto: iStock, Getty Images

Durante muitos anos, as raízes da imprensa na Inglaterra – especialmente em Londres – se estabeleceram na lendária Fleet Street: o endereço inicial das redações dos primeiros jornais ingleses. O local era puramente estratégico, já que ficava entre os centros político, City of Westminster, e financeiro de Londres, a City of London.

A Fleet Street ganhou suas primeiras impressoras por volta de 1500. Nos anos seguintes, diferentes editoras de livros se estabeleceram na rua e começaram a lhe dar notoriedade.

O Daily Courant, primeiro jornal de Londres não ligado ao governo, foi publicado na Fleet Street em 1702. Muitos outros o seguiram e, quando um imposto do papel foi abolido, a imprensa local prosperou. No início do século 20, todos os grandes jornais eram impressos nessa rua.

Após a era industrial, com o advento da internet, os maiores jornais da Inglaterra começaram a migrar para outros logradouros. Mesmo assim, ainda hoje, jornalistas, estudantes e simpatizantes das letras se sentem em casa na Fleet Street. Vale visitar os pubs da região, antigos e frequentados séculos atrás por pioneiros do jornalismo.

Se passar por lá quando estiver em Londres, sugerimos uma visita ao pub Ye Olde Cheshire Cheese – reconstruído após o Grande Incêndio de 1666, e frequentado em diferentes momentos por Charles Dickens (um dos principais autores vitorianos) e Samuel Johnson (criador de um dos primeiros dicionários da língua inglesa).

Jornalismo na Inglaterra

“Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade”. A frase é atribuída a George Orwell, célebre escritor e jornalista que marcou a história do Reino Unido com seus artigos e crônicas perspicazes.

A frase é ótima para resumir um pouco de como a imprensa britânica se distinguiu do resto da Europa em seu desenvolvimento. Embora ela tenha passado por períodos de censura (em 1659, predominou o controle régio sobre as publicações: apenas dois jornais tinham permissão para circular), as premissas para um jornalismo democrático e acalentador da liberdade de expressão se estabeleceram na Inglaterra mais precocemente do que no resto da Europa.

Roteiro em Londres

A partir da Declaração de Direitos de 1689, foram lançadas as bases constitucionais para que o Reino Unido se tornasse o berço de uma democracia parlamentar, garantindo a liberdade de pensamento e expressão como “um direito natural dos cidadãos”. Depois de sua instauração, rapidamente passaram a surgir jornais com as mais diferentes temáticas pelo país.

O modelo de liberdade de imprensa na Inglaterra, porém, gerou – e ainda gera – opiniões divergentes. A perseguição dos tabloides às celebridades já garantiu muita dor de cabeça à Coroa. E quem não se lembra do triste fim da Princesa Diana, em um acidente de carro enquanto era perseguida pelos paparazzi?

Gostou de conhecer melhor os jornais da Inglaterra e um pouquinho dos primórdios e do desenvolvimento do jornalismo no país? Deixe um comentário.

Compre agora!

1 COMENTÁRIO

  1. Ana CBoa tarde aqui é exatamente 16 e 33 tenho recebido as noticias online tem me ajudado abre um leque de informações.

    Todos sabem que no dia 24 agora de janeiro será aqui no meu estado Rio Grande do Sul nossa capital Porto Alegre…

    Bueno neste dia o nosso e ex-presidente Lula será julgado pelo crime que não cometeu.

    Ele esta sendo rechaçado por um judiciário corrupto e uma mídia pior a inda aqui esta tudo muito difícil.

    Tudo aqui esta uma montanha ruça desgovernada um Brasil nas mãos de um aquadrilha criminosa.

    Eles vão fazer tudo para que o Lula não venha como candidato a presidência pois existem interesses que ele não venha.

    Tem mais os maiores ladrões do Brasil estão ocupando cargos publico…Bueno foi assim que eles tirarão a nossa presidente Dilma.

    O juiz que julgou e condenou  o lula é um corrupto a mulher dele roubou da “APAE” e nada foi feito ele mesmo ganha um salario as cima do teto de um juiz eu venho fazendo este trabalho tartaruga e pedir o apoio da mídia internacional será importante neste processo todo aqui já que este pais esta totalmente desgovernado nas mãos de bandidos da pior espécie.

    Eu agradeço e peço de alguma forma nos ajudem divulgando o máximo que poder..

    Atenciosamente .

    Ana Gamaristina Gama

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here