[humor] Guia para identificar estrangeiros em Londres

ANÚNCIO

Você está na plataforma esperando o trem na estação de Piccadilly Circus.

Você vê o trem se aproximando, escuta “Mind the gap between the train and the platform”, acha o sotaque engraçado, deixa as pessoas saírem e depois dá os primeiros passos para dentro do veículo.

ANÚNCIO

Então você se acomoda no primeiro banco que aparece e começa a observar o ambiente. “Esse é o metrô de Londres”, você pensa, antes de principiar a jornada e tentar adivinhar a nacionalidade de cada um dos passageiros.

[humor] Guia para identificar estrangeiros em Londres
Foto: Mapa de Londres

Para situações como esta, utilize o nosso Guia Para Identificar Estrangeiros em Londres.

Franceses

É fácil identificar os franceses, pois eles dizem Piccadilly Circús e Oxforrrd Circúúús, com a sílaba tônica quase sempre no fim da palavra, pronunciada após a compressão dos lábios no característico “biquinho”.

ANÚNCIO

E você não terá problema para que eles abram a boca, afinal eles estão sempre falando.

Sabem que seu idioma é sexy e reforçam o sotaque ao reconhecer um estrangeiro admirado.

Se o cigarro não fosse proibido no metrô, bafejariam, entre as frases, a fumaça na direção dos outros passageiros (e o fariam de maneira que deixaria a vítima encantada e revoltada ao mesmo tempo).

Brasileiros

Você vai notar que 1/5 dos passageiros do metrô são brasileiros.

Isso não quer dizer, porém, que os brasileiros expatriados amem esse meio de transporte.

Apenas que brasileiro é o que não falta na “Terra da Rainha”, como adoram chamar Londres.

Além de pulularem com afinco pela capital britânica, os brasileiros gostam de mostrar as cores de seu país e anunciar aos quatro cantos sua terra natal.

Por isso, não será difícil reconhecer os brasileiros de Londres:

1) Eles andam em bando;

2) Metade veste camisas da seleção brasileira ou outros adereços com as cores verde e amarela;

3) Eles falam alto, berram “Brasil, Brasil!” para qualquer um que ficar olhando e não veem problema em cantar em público músicas que no Brasil ficariam com vergonha de saber a letra.

Indianos

Os indianos também podem ser identificados pela fala.

Quando você ouve algo muito próximo de “dagadagadagadagadagadagadaga”, tenha certeza de que você está diante de um indiano.

Ainda mais se ele exala um cheiro forte, decerto proveniente do curry e de outros temperos da culinária local.

Como os brasileiros, os indianos vivem em bando.

Assim, potencializado, o odor não somente entrega a nacionalidade, mas também afasta qualquer nova investigação do observador.

Ingleses

A primeira regra para identificar um londrino é: procure o passageiro mais desinteressado do vagão.

Não que ele não se interesse por nada, mas certamente ele não vai ficar olhando para você e tentando adivinhar-lhe a nacionalidade, a menos que você se enquadre naquele item número três da descrição anterior.

Geralmente, o londrino no metrô estará entretido em uma dessas três atividades:

Lendo livro ou jornal, em formato impresso ou digital;

2) Ouvindo música com um fone grandão, plenamente alheio do restante do trem;

3) Passando despercebido.

E se você conseguir identificar um londrino no trem, comemore, pois grande parte deles se refugia em áreas menos turísticas e mais periféricas.

Se o mundo inteiro invadisse a sua cidade, você entenderia o porquê.

Italianos

Também não é difícil identificar os italianos, já que eles são os únicos seres do planeta que conversam com as mãos.

Além da peculiar modalidade de diálogo, a maioria ostenta um belo corpo.

Ou seja, você já estará olhando para eles antes de pensar em tentar identificar de onde vêm.

Se você encontrar um grupo falando sobre futebol, sugerimos que grite bem alto “Baggio”. Só lembre, antes, de esperar a porta abrir e se preparar para a fuga.

Argentinos

Os argentinos falharam em ser italianos, mas não desistem.

Como os primos europeus, os argentinos usam as mãos enquanto conversam e apresentam melenas intermináveis.

E não ouse chamá-los de latinos, sob pena de ouvir que Buenos Aires é a Roma ou a Paris sul-americana.

Se encontrar um grupo falando sobre futebol, pode gritar qualquer coisa: eles vão se irritar igual, até porque estão sempre perdendo mesmo.

ANÚNCIO