Quem foi a Princesa Margaret, irmã de Elizabeth II

Quem foi a Princesa Margaret, irmã de Elizabeth II

Amores impossíveis, fugas e romances marcaram a vida da Princesa Margaret – normalmente lembrada como a irmã caçula e rebelde da Rainha Elizabeth II. Sempre nos holofotes por fazer parte da Família Real, sua vida pessoal foi recorrentemente exposta ao público e gerou controvérsias. 📸

Margaret ganhou relevância como figura pública, especialmente, depois que seu pai,  George VI, assumiu a Coroa em 1937 (quando seu irmão, Edward, abdicou do trono). Isso fez com que a Princesa se tornasse a segunda na linha de sucessão ao trono – atraindo todos os olhares do povo.

A biografia da Princesa Margaret tem reviravoltas surpreendentes, paixões e um final pouco digno de conto de fadas. Ficou curioso? Então veja, a seguir, nosso resumão sobre a sua trajetória.

Princesa Margaret
Princesa Margaret, em 1965. Foto: Koch, Eric, CC BY-SA 3.0 nl

Entenda quem foi a Princesa Margaret

Margaret Rose foi a filha mais nova do rei George VI e de sua esposa, a Rainha Isabel Bowes-Lyon – a única irmã da atual monarca, a Rainha Elizabeth II. Nasceu em 21 de agosto de 1930, no Castelo de Glamis, em Angus, no Reino Unido.

Infância e juventude

A princesa Margaret passou grande parte da infância e juventude com sua irmã mais velha. As meninas foram educadas pela governanta Marion Crawford e viram sua vida mudar quando o pai teve de assumir a Coroa. A partir do momento em que George virou rei, Margaret passou a ser chamada de “Sua Alteza Real, a Princesa Margaret”.

Durante a II Guerra Mundial, que eclodiu logo após a coroação do novo rei, Margaret e Elizabeth permaneceram na Inglaterra, no Castelo de Windsor – apesar dos bombardeios.

Romances e controvérsias

O primeiro romance de Margaret a chocar o Reino Unido ocorreu logo após sua irmã assumir a Coroa, depois da morte do Rei George VI, em 1952. A Princesa se apaixonou por Peter Townsend, piloto da Royal Air Force (que também havia servido como palafreneiro de seu pai). Ele era 16 anos mais velho que ela e divorciado.

Margaret chegou a manifestar o desejo de se casar com Townsend, mas membros do governo o consideravam um marido inadequado para a irmã da Rainha. A Igreja Anglicana se recusou a aprovar o casamento. Se ignorasse as ordens e levasse o matrimônio adiante, a Princesa perderia todos os seus títulos, privilégios e até mesmo o lugar na sucessão do trono.

Sob pressão, Margaret se viu obrigada a deixar o romance de lado. Mas isso não impediu outras paixões: ela também chegou a ter um caso, em 1960, com o futuro primeiro-ministro canadense, John Turner.

Diz a história, porém, que foi após receber uma carta de seu antigo primeiro amor, Townsend – na qual ele teria dito que se casaria com uma jovem belga – que Margaret decidiu aceitar o pedido de casamento do fotógrafo Antony Armstrong-Jones. Juntos, tiveram dois filhos: Lord David Albert Charles Armstrong-Jones e Lady Sarah Frances Elizabeth Armstrong-Jones.

A união de Margaret pareceu ter um início promissor. Posteriormente, porém, foi marcada por rumores de casos extraconjugais: o primeiro em 1966, com o padrinho de sua filha,  Anthony Barton. Entre os supostos affairs da Princesa, entraram também nomes como Robin Douglas-Home, Mick Jagger e Peter Sellers.

Em 1970, diante de revelações sobre um caso da Princesa Margaret com o jovem Roddy Llewellyn, o casamento dela chegou ao fim – mais precisamente em maio de 1978. Mesmo antes do anúncio público, porém, a união já não existia. Sua imagem também ficou fortemente marcada por festas e uso de drogas em sua casa de férias, na ilha caraíba de Mustique.

Deveres Reais

Embora os holofotes se concentrem na vida pessoal de Margaret, é importante lembrar que sua imagem não condiz com uma postura completamente irresponsável. Entre seus principais interesses como Princesa, estiveram a caridade, o balé e a música.

Margaret assumiu vários cargos respeitáveis. Ela foi presidente da Sociedade Nacional e da Real Sociedade Escocesa para a Prevenção de Crueldade a Crianças, além de ter ocupado o posto de comandante-chefe dos cadetes paramédicos e enfermeiros da brigada de St. John Ambulance.

Morte

Margaret, assim como seu pai, tinha o hábito de fumar muito. Em 1998, ela teve um pequeno ataque cardíaco em sua residência, na ilha de Mustique. Em 2000 e 2001, novos ataques foram diagnosticados e, por fim, um ataque cardíaco massivo ocasionou sua morte em 9 de fevereiro de 2002, aos 71 anos.

O funeral da Princesa Margaret foi um evento particular em família, justamente no dia em que se completou o 50º ano desde a morte de seu pai. Diferentemente da maioria dos membros da Família Real, o corpo dela foi cremado e suas cinzas enterradas na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, ao lado do pai.

Princesa Margaret na série The Crown

Ficou fascinado com a história da Princesa Margaret? Então corre para a Netflix. Na série The Crown, que narra a trajetória da Rainha Elizabeth II, você pode conhecer mais detalhes sobre a vida das duas. Embora seja uma personagem secundária, a irmã da monarca também aparece nos episódios – inclusive mostrando o desenrolar de seu romance com Townsend.

Em The Crown, a atriz Vanessa Kirby interpreta a Princesa Margaret e Ben Miles vive Peter Townsend. Corre lá pra assistir às intrigas da Família Real Britânica e depois vem nos contar o que achou!

Gostou do resumão e entendeu um pouquinho melhor quem foi a Princesa Margaret? Já conhecia a história? Comente 😉

Nosso e-book com 7 dias de atrações em Londres:

pequeno-cta-roteiro-do-mapa-de-londres

Deixe seu comentário

Sem comentários