Como usar o Tube, o metrô de Londres

Como usar o Tube, o metrô de Londres

3

Tube ou Underground? Tanto faz como você o chama: o metrô de Londres é um dos sistemas de transporte público mais confiáveis e eficientes do mundo.

Abaixo, veja as dicas para dominar o tube desde o primeiro dia de viagem e aproveitá-lo ao máximo em sua jornada pela capital britânica. (Os links ao longo do texto são posts do Mapa de Londres que explicam com mais detalhes cada um dos tópicos.)

Entenda o Tube

O metrô de Londres é o mais antigo do mundo, mas se adaptou plenamente ao longo das décadas. Todo o sistema foi desenvolvido e desenhado para ser o mais intuitivo possível, desde o mapa icônico até as indicações dentro das estações.

Estação de Metrô de Baker Street
Estação de Baker Street é uma das mais antigas. Foto: Mapa de Londres

Mapa do metrô de Londres

O mapa do tube é dividido em zonas concêntricas, das zonas 1 e 2 (mais centrais) para cima (mais periféricas). As estações são servidas por linhas (Central, Piccadilly e District são exemplos), representadas por cores (vermelha, azul, verde).

Ao observar as estações no mapa, é fácil identificar quais são as trocas de linhas necessárias para chegar ao seu destino. No início, mais prático ainda é usar o aplicativo Citymapper (para celular) ou o site Journey Planner. Essas duas ferramentas indicam os melhores caminhos para chegar ao local desejado, seja usando ônibus, trem ou metrô.

Mapa do metrô de Londres
Design do mapa do metrô de Londres inspirou todos os outros

Símbolo do metrô

O símbolo do metrô é fácil de reconhecer. É um grande alívio para qualquer perdido:

Metrô de Londres - Mapa de Londres
Símbolo “roundel” indica entrada para o underground. Foto: Mapa de Londres

 

Zonas e preços do metrô

O mapa do metrô é dividido em zonas concêntricas. O aeroporto de Heathrow, por exemplo encontra-se na zona 6, enquanto Oxford Circus situa-se na zona 1. As tarifas do metrô são determinadas principalmente pelas zonas pelas quais você passa para chegar a determinado destino. Na sequência, vamos entender melhor essa história.

Preços do metrô em 2016

  • Passagem unitária: o preço depende da estação de origem e da estação de destino, da direção da viagem, do horário e do dia da semana. Exemplo: uma viagem de ida e volta pode ter um custo para ir e outro para voltar. Neste link, você pode simular o custo de uma jornada entre duas estações.
  • Pay As You Go Diário (Oyster) para zonas 1 a 2 (as mais turísticas): 6,50 libras para 1 dia de viagens ilimitadas de ônibus e pelas zonas 1 e 2 nos trens e no metrô.
  • Pay As You Go Diário (Oyster) para zonas 1 a 3: 7,60 libras para 1 dia de viagens ilimitadas de ônibus e pelas zonas 1 e 2 nos trens e no metrô.
  • Passe semanal (Oyster): 32,40 libras para 7 dias consecutivos de viagens ilimitadas de ônibus e pelas zonas 1 e 2 nos trens e no metrô.
  • Passe mensal (Oyster) para zonas 1 e 2: 124,50 libras para 30 dias consecutivos de viagens ilimitadas de ônibus e pelas zonas 1 e 2 nos trens e no metrô.

Quanto devo colocar no Oyster?

O turista deve considerar primariamente zonas 1 e 2 em seus planos, pois nelas está situada grande parte dos pontos turísticos.

Quer saber quanto colocar no Oyster Card para ir e voltar do Heathrow? Quer saber se vale a pena comprar um passe semanal se vai ficar apenas 3 dias? Veja uma simulação detalhada com todos os valores e opções, para que você possa  programar sua estratégia de transporte para seu roteiro em Londres.

Passes no metrô de Londres

Devo comprar um passe semanal? A resposta é “sim” caso sua estada seja de cinco dias ou mais. Até 4 dias (inclusive), vale mais a pena usar o Oyster Card creditando, por dia, 6,50 libras (o dia inteiro de ônibus e metrô, quantas vezes você quiser). Também há o passe mensal e o anual. O custo do 7 Day Travel Card é de 32,40 libras.

Site do Transport for London: Todos os preços do metrô

Concentre-se nas zonas 1 e 2

Para uma viagem turística, você deve considerar zonas 1 e 2, principalmente. Há exceções, como um passeio até o Parque Olímpico, na zona 3, ou a viagem de ida e volta do aeroporto de Heathrow, na zona 6.

Oyster Card

Na sua curta estada na cidade, é recomendável que você utilize ao máximo os seus pés e o transporte público, seja ônibus ou metrô. E o jeito mais econômico não é comprando passagens single, e sim utilizando o daily cap (teto de gasto) do Oyster Card (cartão recarregável, que você pode retirar em uma máquina com 5 libras de depósito) ou um passe (de 7 dias, por exemplo). Dessa forma, você pode carregar o seu Oyster Card com 6,50 libras e passar o dia inteiro andando de ônibus e metrô nas zonas 1 e 2 sem se preocupar com o valor. A partir de 5 dias, vale a pena adquirir um passe de 7 dias (consecutivos), que custa 32,40.

Passo a passo dentro de uma estação do tube

É sua primeira vez no metrô de Londres? Keep Calm, and Carry On. Veja abaixo passo a passo como proceder:

1 – Preste atenção às placas

Elas serão bem úteis.

Metrô de Londres - Mapa de Londres
Atenção especial ao “bound”, que indica para que lado o trem vai: West (Oeste), East (Leste), North (Norte), South (Sul). Foto: Mapa de Londres

2 – Encontre um guichê de venda ou as máquinas self-service 

É lá que você vai comprar sua passagem ou passe ou carregar seu Oyster Card.

3 – Pegue o Oyster Card

Na máquina ou no guichê, peça por um Oyster Card. Há uma taxa de depósito de 5 libras, que são reembolsáveis no fim da viagem.

4 – Coloque crédito

Agora que você tem o cartão recarregável (1 por pessoa), é hora de colocar créditos.

Considere 6,50 libras por dia de uso. Com essa estratégia, você poderá usar o transporte público (trens, metrô e ônibus) a qualquer hora, dentro das zonas 1 e 2. Se você tiver mais de 4 dias em Londres, pegue o 7 Day Travelcard para zonas 1 e 2, que dá direito a 7 dias de uso consecutivo.

Se você estiver na estação de Heathrow (zona 6) e decidir usar o metrô na ida e volta do hotel, a situação muda um pouquinho. Nesse caso, carregue o cartão com 11,80 libras para o dia da ida para o hotel e 11,80 para o dia da volta. Dessa forma, você poderá usar o transporte público à vontade nesses dois dias. Para completar, veja quantos outros dias você vai ficar na cidade além disso e carregue o cartão com 6,50 por dia para utilizar o transporte nas zonas 1 e 2.

Pronto, Oyster Card carregado!

5 – Descubra para onde exatamente você está indo

Agora, você sabe para onde está indo? Mesmo que já tiver baixado o Citymapper ou outro aplicativo com o mapa do metrô, pegue também um mapinha de papel. Vai facilitar sua vida.

Uma dica importante nessa hora: “towards” significa “em direção a”. Esse “Towards” se refere à última estação da linha. Sabendo disso você vai entender, ao observar o mapa, para que lado o trem está indo e em qual plataforma você deve esperar. Da mesma forma, indicações com “bound” (West, East, North, South) também mostram a direção dos trens. Esses avisos aparecem em placas distribuídas nas estações e em dispositivos luminosos nas plataformas.

6 – Passe o Oyster Card

Você vai passar o cartão por cima da área amarela da catraca. Se tiver dúvida, observe alguém na sua frente para fazer direito. Não tem erro.

7 – Fique à direita na escada rolante

O espaço à esquerda em qualquer escada rolante é reservado para quem não vai ficar parado e vai subir caminhando. Como você tem pouca prática, fique à direita (lembrando de não deixar a bagagem no meio do caminho) e observe o espetáculo.

8 – Siga as placas

Uma informação à qual você deve ficar atento é a cor das linhas, que aparece nas placas e orienta sua locomoção por dentro da estação.

9 – Mind the gap

Em algum momento, você vai ouvir: “Mind the gap between the train and the platform”. Bom, o gap é aquele vão entre o trem e a plataforma. E ele pode ser bem grande. Então tome cuidado ao embarcar no trem e, antes disso, respeite a fila.

10 – Encontre seu espaço

Dentro de qualquer transporte público em Londres, é importante encontrar logo o seu espaço, atrapalhar o mínimo possível, não encarar, tirar a mochila das costas, lembrar de nunca deixar uma mala ou mochila ou pasta desatendida, dar preferência para idosos e grávidas e, mais uma vez, atrapalhar o mínimo possível.

Pronto, com essas 10 dicas, você vai sobreviver a sua primeira experiência no tube londrino. E se você se perder em algum momento, não pare no meio do caminho tentando entender o mapa. Lembre-se do mantra: atrapalhar o mínimo possível. A menos que queira brigar com aquela senhora logo atrás de você – ela pode usar o guardachuva como arma.

Estação de metrô Oxford Circus
É bom evitar Oxford Circus em horário de pico. Foto: Mapa de Londres

Vale sempre a pena?

Não. Muitas vezes, uma caminhada de cinco minutos resolve ou um ônibus ajuda a economizar tempo. Para descobrir o melhor meio de transporte, é bom usar o Citymapper ou o Journey Planner. Eles indicam o tempo que você gastará e dão detalhes de como proceder durante todo o caminho.

Além dessas ferramentas, é bom não esquecer do Google Maps, que mostra detalhadamente a região onde a atração ou local desejado se encontra, com estações, restaurantes e outros pontos de interesse que estão por perto. No Google Maps, você pode também descobrir quanto tempo levaria em um percurso personalizado e até montar o seu roteiro diário com base nessas informações.

Gostou das dicas sobre o nosso amado tube, o metrô de Londres? Deixe um comentário!

Leia também:

10 dicas para usar o metrô

Com andar de ônibus em Londres

Nosso e-book com 7 dias de atrações em Londres:

pequeno-cta-roteiro-do-mapa-de-londres

Deixe seu comentário

3 comentários